FOODSTYLING NA FOTOGRAFIA DE GASTRONOMIA - Cláudia Polycarpo - Fotógrafa

Você já ouviu falar de foodstyling? Não? Mas mesmo não conhecendo a terminologia, é bem provável que tenha algum registro fotográfico em seu Instagram, onde, ainda que intuitivamente o foodstyling apareça.

Ele consiste na arte de tornar um alimento visualmente atraente, como fim de fotografá-lo ou filmá-lo. O objetivo é transmitir, através da imagem, a textura e o sabor da comida. Existe, inclusive, um profissional especializado nessa produção: o foodstylist. Ele monta e decora pratos, reconhecendo e valorizando as características do alimento.

No dia a dia, internautas que não são esses profissionais, fotografam não apenas para fazerem referência a um momento degustativo, como também para, através desses registros, fazerem menção a uma reunião social, um lugar badalado, uma prática doméstica, em que deseja mostrar aos seguidores, seus dotes culinários. Sendo assim, não se trata apenas de uma foto com fins profissionais. As pessoas preparam os alimentos para divulgá-lo no seu cotidiano, como uma espécie de hobby. Por isso, a fotografia de gastronomia se torna cada vez mais costumeira nas postagens das redes sociais.

Diante disso, o objetivo desse artigo é oferecer a você dicas que facilitem e tornem esteticamente melhores seus registros, sejam eles da sua prática diária, ou até mesmo ferramentas para prospecção de clientes para o seu negócio.

Ao fotografar comida, é preciso levar em conta quatro aspectos, a fim de que ela fique esteticamente agradável. São eles:

  1. Montagem: A forma como você dispõe o alimento no prato.
  2. Iluminação: Como a luz é utilizada para exibir a parte mais bonita do prato.
  3. Composição: O enquadramento da foto.
  4. Edição: Os retoques feitos para valorizar a imagem

1-MONTAGEM:

Estudos mostram que o sabor da comida é afetado pela forma como ela é apresentada, uma vez que o ato de comer é uma prática sensorial. Portanto, a importância de planejar a apresentação do prato é primordial.

A prática de dispor esteticamente um prato é chamado de “plating” e para executá-lo leve em consideração os seguintes passos:

a) Planeje  a estética da foto: Se o desejo é de uma imagem com mais naturalidade, escolha um cenário natural também, como um jardim. Se desejar registrar um alimento mais sofisticado, esteja atento ao ambiente. Ele deve ser com menos informações possíveis e uma luz que favoreça o contorno e o contraste das formas.

b) Selecione  a superfície mais adequada: Pratos brancos dão destaque a alimentos mais coloridos. Tábuas de madeira remetem a comida com maior rusticidade. Então, escolha os acessórios que mais têm a ver com a aparência do alimento a ser fotografado, para que fique mais evidente na imagem.

c) A fim de estabelecer uma simetria no prato, inicie a montagem pelo meio do enquadramento em direção às laterais. Decore detalhadamente e use recursos como molhos e texturas para torná-lo mais artístico e apetitoso.

 

2-ILUMINAÇÃO

É a boa iluminação que faz sobressair as texturas e as cores. Portanto, defina a luz certa, observando as dicas a seguir:

a) A iluminação deve ser lateral, para que sejam geradas sombras e iluminadas texturas específicas como as do queijo e das carnes. É a melhor técnica para o registro fotográfico de alimentos variadamente texturizados.

b) Fique atenta às sombras mais duras. Nesses casos, mude o ângulo ou rebata a luz, para que os detalhes dos alimentos não fiquem ocultos.

c) Opte por uma luz suave e difusa. A da janela é perfeita para isso.

d) Prefira não fotografar os alimentos de frente, uma vez que isso poda gerar uma liluminação muito “chapada” sobre a superfície do mesmo, podendo ficar desinteressante. Deixe que a luz incida pela lateral.

3-COMPOSIÇÃO

Destaque os pontos mais fortes da comida e mostre-os no enquadramento.

Cada alimento tem um ângulo favorável. Frios e saladas ficam melhores fotografados de cima, a fim de registrar a variedade de elementos que os compõem.

Alimentos fotografados frontalmente, especialmente, quando o ângulo vem de baixo , tendem a ser pouco atrativos e suas texturas e contornos costumam não ficar tão evidentes.

Esteja atento às cores e o modo como combinam. Use acessórios de uma mesma paleta de cores complementares, para promover uma harmonia.

Sature as fotografias, usando os tons mais quentes no alimento (vermelho, laranja, amarelo), pois despertam o apetite. Já as de tonalidade verde, tendem a remeter à natureza e ao aspecto orgânico da comida.

Cores frias e duras (roxos e azuis) dão um ar menos apetitoso ao alimento. Uvas e mirtilos são usados somente para agregar valor à imagem, com uma espécie de acessório, mas seus tons não devem predominar na imagem.

Um outro aspecto a considerar na composição é o foco. O fundo desfocado costuma dar mais destaque ao alimento, principalmente, os com mais textura. Alguns celulares já dispõem deste recurso. Mas se não os tiver ou não possuir uma câmera com modo manual, você ainda pode recorrer a alguns aplicativos de edição, que simulam este efeito.

4-EDIÇÃO

Após a sessão de fotos, faça os seguintes ajustes na imagem:

- Aumente a nitidez, para trazer maior definição aos contornos;

- Sature um pouco mais a foto;

- Eleve o contraste, de modo a destacar pontos fortes do alimento;

- Ajuste o balanço de branco, caso seu celular disponha desse recurso. Pode ser que a luz do ambiente gere alterações na cor da fotografia, por isso, essa edição irá equilibrá-la.

Essas são dicas básicas, que lhe ajudarão a fazer produções fotográficas melhores. Não se limite! Use a criatividade, pratique bastante, crie um banco de imagens com referências, inspire-se nelas e a cada dia seu olhar fotográfico irá evoluir.

 

Cláudia Polycarpo
Fotógrafa

Facebook: Cláudia Polycarpo Fotografias

Instagram: @claudiapolycarpophotography